segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Sublime

Derruba-me sobre teu leito,
Arrebata-me sob teu olhar,
Diante de ti permaneço de joelhos
O coração padece ao ver teu singelo jeito

Extasiado eu me sinto
Com a mente perdida no horizonte
Deste teu jeito juvenil,
Meio inconsequente, meio senil

Essa tua sensação de que levitas em meus braços
Produz em meu ego novos sentimentos
Perdidos num subjetivismo profundo
Sobre o qual caminham, sem receio, descalços

Em meio aos teus beijos
Sinto-me desvendando novos horizontes
Navegando um mar de devaneios
Onde desejo naufragar

Os teus cabelos negros são como parte do vento
A tua pele branca e suave como a areia
São como a aurora que invade minha mente
E a semente da sedução semeia

Oh, sensata rebeldia
Tu que me fazes sentir distinto dentre os outros seres
Compartilho contigo a sensação dos meus prazeres
Agradeço e ofereço a ti a felicidade dos meus dias

Nenhum comentário:

Postar um comentário