segunda-feira, 18 de julho de 2011

Humano

Há uma diferença entre o que devo ser para sobreviver,
Preso a um ordenamento de regras,
E quem quero ser para viver,
Livre da hipocrisia

Somos vítimas do capital
Isto tornou-se uma dependência
Algo como um viral
Ilusória excelência

Rotulamos as diferenças de classes
Cultivamos o individualismo
O surgimento de um impasse
Tomou o lugar do humanismo

A nobreza que gera a fome
Concentra tamanha riqueza
Pra que tudo nas mãos de poucos homens
Se lhes falta a verdadeira nobreza?

Repartir o pão
Olhar ao lado
Sentir a aflição
Daquele desamparado

Falta ao homem lembrar
Que no peito carrega um coração
No punho, uma mão para o próximo ajudar
Estendendo a este sua compaixão!

Um comentário: