sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Pele e Ossos

Sinto-me mais humano do que nunca: dúvidas permeiam em minha cabeça e a capacidade de fazer escolhas que podem mudar minha vida (e a de outros) tornam-me mais consciente ainda disso. Não se deve cometer o erro de tentar racionalizar a sua própria vida, a sua existência, tentar entender tudo, analisar as melhores escolhas, tudo isso só vai fazer crescer dentro de você o medo de arriscar, o receio de tomar as verdadeiras decisões, de escolher o caminho que realmente queria, mas não o fez por ser o seu final incerto. Porém, todos os caminhos, até mesmo aqueles que parecem ser os mais seguros, os quais possuem os resultados mais previsíveis, ainda assim são incertos, pois, ao longo do caminho, diversas circunstâncias imprevistas poderão acontecer. Então, se todos os caminhos possuem um fim imprevisível, por que escolher tanto?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Ideias

Devem estar em algum lugar
Talvez nas mentes alheias [não mais na minha]
No ponteiro que não para
Num lugar onde não permeiam


Estão confusas
Misturadas às salazes
Depreciadas
Esperando por liberdade


Elas querem brincar
De verdade ou consequência
Querem vir à tona
Vivenciar experiências


Querem fugir da prisão
Preencher as páginas em branco
Manchar as capas de revistas
Dar vez à expressão
  
Capazes de mudar o mundo
Mas tão longe de tudo
Querem criar retiscências 
Onde há um ponto final

Elas querem [e devem] se multiplicar
Driblar o labirinto
Penetrar nos alheios corações
Ir além das leis, fórmulas e equações

Fugir do plano abstrato
Tomar uma forma visual
Sensível ao tato
Tornar possível um sonho real