quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Ideias

Devem estar em algum lugar
Talvez nas mentes alheias [não mais na minha]
No ponteiro que não para
Num lugar onde não permeiam


Estão confusas
Misturadas às salazes
Depreciadas
Esperando por liberdade


Elas querem brincar
De verdade ou consequência
Querem vir à tona
Vivenciar experiências


Querem fugir da prisão
Preencher as páginas em branco
Manchar as capas de revistas
Dar vez à expressão
  
Capazes de mudar o mundo
Mas tão longe de tudo
Querem criar retiscências 
Onde há um ponto final

Elas querem [e devem] se multiplicar
Driblar o labirinto
Penetrar nos alheios corações
Ir além das leis, fórmulas e equações

Fugir do plano abstrato
Tomar uma forma visual
Sensível ao tato
Tornar possível um sonho real

Nenhum comentário:

Postar um comentário